Sete tendências para o futuro em Cloud Computing

No mundo dos negócios, existem poucas tecnologias que tiveram um impacto maior do que a computação em nuvem.

Segundo um estudo do Gartner de 2018 os usuários da nuvem dobrarão até 2021; ao mesmo tempo, o mercado em torno dessa tecnologia passará de USD 153 bilhões em 2017 para cerca de USD 302 bilhões até 2021. Até 2022, cerca de 90% das organizações usarão serviços de nuvem. Além disso, de acordo com uma pesquisa do LinkedIn as habilidades em computação em nuvem são as mais solicitadas pelas empresas em todos os setores.

Existem muitas razões para o enorme sucesso dessa tecnologia.

Contar com um provedor de serviços na nuvem, no modo sob demanda, reduz custos, desde os relacionados à compra de um ou mais servidores locais (com os custos relacionados ao gerenciamento e manutenção) até aos de software e segurança cibernética.

Além disso, existem as vantagens de flexibilidade e escalabilidade que os sistemas de computação em nuvem podem garantir para praticamente qualquer tipo de empresa, desde organizações estabelecidas, até empresas em crescimento que aumentam a coleta e as operações de dados em apenas alguns meses.

E não vamos esquecer questões fundamentais como segurança e confiabilidade . Os melhores provedores de nuvem oferecem garantias fundamentais sobre esses assuntos delicados.

A seguir as sete principais tendências no horizonte da computação em nuvem:

1. Híbrido e Multi-Cloud

O que é a nuvem híbrida? a nuvem híbrida é um ambiente de computação em nuvem que explora nuvens públicas e privadas, bem como algumas ferramentas de terceiros. Dessa maneira, a lógica do on-demand, do pay-per-use e do Software como Serviço (SaaS) é explorada simultaneamente, tudo de uma maneira aprimorada.

Na prática a empresa ou negócio poderá manter aplicativos ou dados sigilosos em uma plataforma de nuvem privada, enquanto que aqueles menos sensíveis poderá optar pela nuvem pública.

O resultado é um gerenciamento de máquina e recursos absolutamente dinâmico, escalável e flexível . Mais importante ainda, o sistema híbrido oferece grandes oportunidades de “ personalização ” . Cada empresa programa sua combinação ideal, o mais personalizada possível e construída “sob medida”, de acordo com suas características e necessidades.

Obviamente isso tem um impacto positivo no desempenho. Não é de admirar, então, que o uso das soluções Hybrid Cloud tenha aumentado 7% em um único ano, de 2018 a 2019. Além disso, 58% das empresas agora têm uma estratégia de computação em nuvem híbrida (fonte: RightScale).

Multi-Cloud é algo muito semelhante a híbrida: é o uso de diferentes sistemas de computação em nuvem e armazenamento de dados em uma única arquitetura de TI . Multi-Cloud é uma abordagem composta por mais de um serviço e de um fornecedor de nuvem, pública ou privada.

2. FaaS - Function-as-a-Service

FaaS - Function-as-a-Service ou arquitetura sem servidor, também conhecido como função como serviço é uma tendência recente.

Antes de tudo, não se deixe enganar pelo nome: um ou mais servidores para operações de processamento são sempre essenciais. A verdadeira inovação desses sistemas é a possibilidade de executar aplicativos sem se preocupar com a infraestrutura subjacente . Traduzido: provisionamento, escalabilidade e gerenciamento de servidores são administrados automaticamente, com enormes vantagens para flexibilidade e desempenho.

O primeiro modelo sem servidor foi lançado pela Amazon em 2014 (conhecido como AWS Lambda); Microsoft, IBM e Google logo seguiram com suas próprias ofertas sem servidor. As soluções sem servidor foram usadas por 21% das empresas em 2018. Em comparação ao ano anterior, a arquitetura sem servidor cresceu cerca de 75%.

3. Novos sistemas de backup e recuperação de desastres

Uma das vantagens mais importantes da computação em nuvem é a eficiência e a elasticidade dos sistemas de backup e recuperação de desastres (um termo usado para identificar todas as medidas de recuperação relacionadas a dados, sistemas ou infra-estruturas).

De acordo com um relatório recente da Spiceworks , 15% do orçamento da nuvem é investido na melhoria desse aspecto fundamental.

É por isso que todos os principais provedores de serviços em nuvem (públicos, privados ou híbridos) estão trabalhando duro nessa frente.

4. Big Data e Inteligência Artificial

A combinação da análise de computação em nuvem e big data traz enormes benefícios e aprimora a eficácia de ambas as tecnologias.
Nesse sentido, entendemos a importância da implementação de sistemas de Inteligência Artificial para melhor interpretar a enorme e variada quantidade de dados úteis para melhorar todos os processos de negócios, tanto aqueles voltados para dentro da organização quanto para processos externos, marketing, vendas e atendimento ao cliente.

A combinação de Cloud Computing, coleta de Big Data e subsequente interpretação através de sistemas de Inteligência Artificial deve ser estudada com cuidado e, acima de tudo, deve ser calibrada às necessidades de cada empresa e objetivos. Mas é inegável que construir arquiteturas voltadas a Big Data em nuvem é imensamente mais vantajosa que sistemas legados.

5. IoT (Internet das Coisas)

Ter "objetos" conectados à rede permite colocar uma grande quantidade de dados, geralmente muito precisos e significativos (e até recentemente indisponíveis), na nuvem.

As tecnologias de IoT relacionadas à computação em nuvem podem, por exemplo, ser muito úteis para monitorar os processos de produção de uma empresa para detectar ineficiências e estudar soluções para aprimoramento.

Mas isso não é tudo: a Internet das Coisas também pode ser valiosa no relacionamento com os usuários; pense em quantos dados podem ser coletados por empresas do setor de serviços públicos por meio de balcões conectados à rede. São dados úteis para empresas, mas também para os próprios clientes. Tudo isso se traduz em um aumento potencial na receita, mas também em uma melhoria na fidelidade do cliente. E isso é apenas para dar um exemplo.

6. Tudo girará, cada vez mais, em torno da personalização

A computação em nuvem quase naturalmente leva à personalização, em todas as frentes. Existe a possibilidade de construir um ecossistema de software e infra-estrutura perfeitamente adaptado ao perfil da empresa ou negócio e que pode variar ao longo do tempo, adaptando-se às novas necessidades. Essa é uma possibilidade que se torna ainda mais importante nos sistemas Hybrid Cloud e Multi-Cloud.

Existe também a possibilidade de explorar a nuvem para coletar o máximo de dados possível mas, acima de tudo, dados significativos (os chamados "Dados profundos" ou "Dados inteligentes"), úteis para trazer a personalização de todas as operações de contato com os clientes.

7. Cibersegurança

À medida que a adoção de sistemas de computação em nuvem aumenta, também aumentam os problemas de segurança.

Esse é um ponto essencial e delicado que requer a máxima atenção do especialistas do setor. Com a introdução da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) (Brasil) e o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) (União Europeia) a segurança cibernética se tornou ainda mais urgente. Este não é um assunto pequeno. De acordo com uma pesquisa recente da Commwault, apenas 12% das organizações de TI realmente entendem como o GDPR afetará seus serviços em nuvem.

Há uma clara necessidade de contar com provedores de serviços profissionais de Cloud Computing que estejam atualizados com os mais recentes regulamentos , atualizações de software e recursos de segurança.

Fonte: Native Cloud - Novembro de 2019

No Comments Yet.

Leave a comment